A minha experiência na amamentação

Olá a todos!!

Fonte


Hoje decidi falar-vos sobre a minha experiência com a amamentação. Sim. Péssima, mesmo! Eu nunca pensei que seria assim e ninguém me informou sobre isto. Já neste post eu falei que as aulas de preparação para o parto falavam demais na amamentação. O que, no meu ver, poderia fazer com que as mães se sentissem incompetentes. E eu nunca pensei que fosse acontecer comigo. Mas aconteceu. E eu vou explicar tudo.

Como foi cesariana (conforme explico neste post) a subida do leite foi um pouco mais demorada. No entanto, deve-se pôr à mama na mesma. Nesta fase aquilo que a mãe passa ao bebe é sobretudo imunidade. Este "leite" é chamado de colostro. Mas é talvez uma das substâncias mais importantes que a mãe produz para o seu bebe.
As enfermeiras ajudam a colocar o bebe para fazer uma boa pega na mama. Mas apartir do 2º dia cada vez que ele mamava ia sentindo mais dor.

No 3º dia, o peito já estava muito maior, muito duro e saia leite mesmo sem tocar. As dores foram aumentando. As enfermeiras diziam que era má pega, mas viam que não. O meu pensamento era "isto é muito importante, tenho de aguentar, é para o bem dele".
No 3º dia, apartir da hora de almoço, as dores cada vez que ele mamava eram quase insuportáveis. As lágrimas caiam-me pela cara abaixo. Contraia todos os músculos do corpo. Beliscava-me para ver se a dor na mama aliviava. E ele devia sentir que eu tinha muitas dores. Pobrezinho!! Parava e olhava para mim. Como se me estivesse a entender. "Como está a doer à mamã, vou parar um pouco para aliviar". Nada!! Em cada mamada era pior. Só de o ouvir chorar já era uma tortura para mim. Começava logo a imaginar as dores novamente e as lágrimas começam a cair, mesmo sem eu quer. E ele ainda nem estava a mamar!
Vinha de imediato o pensamento que estava ser uma péssima mãe. Se todas as outras mães conseguem porque é que eu não estou a conseguir?! Foi mesmo uma experiência horrível!

No hospital a única solução que me davam era tem de aguentar. Já tinha os mamilos muito gretados. A solução era também colocar uma pomada Purelan à base de vaselina para hidratar o mamilo e ajudar a cicatrizar.



Mas não dava. Porque ele mamava alternadamente em cada uma. Aquilo nunca curava.
Pedi à minha mãe que me comprasse conchas.



A função não era recolher o leite. Mas sim proteger os mamilos da roupa, pois só a roçar me doía. Estava tudo muito sensível. As enfermeiras não gostaram muito da ideia das conchas, mas eu é que sabia. Tentava usar o menos tempo possível e sem a parte de silicone. Para não fazer garote na mama, nem ferida. O uso abusivo destas conchas pode fazer ferida na mama.
Quando viemos para casa os meus familiares viram o meu/nosso desespero. Foram sugerindo algumas coisas. A minha sogra sugeriu os bicos de silicone para que o menino não "trincasse" directamente o mamilo.



A minha prima aconselhou-me a fazer massagem circular com água bem quente, colocar a pomada depois e cada mamada e fazer massagem circular na mama para evitar encaroçar. Experimentei tudo. E foi tudo ficando um pouco melhor.

Aquando as consultas no centro de saúde do peso, reparamos que o bebe não estava a aumentar como seria suposto. Deveria coloca-lo mais vezes ao peito, disse a enfermeira. Mas não conseguia. As dores eram muitas. Na escala de 1 a 10, as dores eram 8.  As lágrimas escorreram pela minha cara. Referi que as dores eram praticamente insuportáveis e que não conseguia mais. Ela foi uma querida. Aconselhou-me a tirar leite com a bomba (pois assim não me doía tanto) e não dar mama durante uns 2 dias (para curar os mamilos).

Dava o leite materno no biberão da Medela - Calma (podem ver neste post). Comecei a dar novamente o peito mas as dores continuavam. Até que um dia estive durante 3 horas a tentar tirar leite e não saiu. Nem uma gota!! E agora?! Como vou alimentar o meu filho?? As lágrimas voltaram. Liguei para o centro de saúde. Tenha calma, existem outras soluções, disse-me a enfermeira.
Comprei o leite NAN 1 que me recomendaram. A lata mais pequena, pois ele pode não gostar.
Segui as indicações da lata para a idade dele. Nunca mais me hei-de esquecer. Fiz 60 ml de leite. À temperatura que eles recomendam. Foi o pai a dar o leitinho. Ele estranhou durante meio segundo. De seguida, bebeu tudo. Até ao fim. Quase se respirar! As lágrimas voltaram a aparecer no meu rosto. O meu filho tinha fome. Eu não estava a conseguir dar-lhe o que ele precisava.

Estive cerca de 1 semana muito triste. Com o pensamento diário de que era uma má mãe porque não conseguia amamentar. A enfermeira disse-me para ir dando do meu enquanto tivesse. Dava mamada sim, mamada não o leite artificial. A minha vida passou a ser preparar biberões, fazer leite, mudar fralda, tirar leite, congelar, comer e dormir.

Quando os mamilos começaram a ficar melhores e quando percebi que estava a tirar menos leite, decidi colocá-lo novamente ao peito. A estimulação que eles fazem é muito melhor do que a máquina. Estava cheia de medo. Será que vou voltar a ter aquelas dores todas? Será que ele vai conseguir puxar bem o leite, agora que tem andando com o biberão?? Correu tudo bem.
Inicialmente doeu um pouco. A descrição da minha mãe é excelente - "Parecem agulhas a espetar". Mas é só no inicio. Durante cerca de 30 segundos. Respiramos fundo e olhamos para o nosso bebe.

Actualmente noto a mama muito menos cheia. Estou a dar o que posso. É melhor um pouco todos os dias do que nenhum. Assim, estou a fazer 1 a 2 vezes por dia à mama, mas tenho de complementar com o biberão. Não lhe chega. Mas é saudável. Que mais podemos pedir??



Também tiveram uma experiência pouco agradável com a amamentação? Ou pelo contrário, correu sempre tudo muito bem? Que estratégias utilizaram?

Comentários

Mensagens populares